Aderir


Adira ao Partido Democrata.
Sonhamos com Portugal, queremos confiar!


Depois de ler os vários textos publicados neste blogue, se concordar com mais de metade do que neles vem escrito e não se opuser frontalmente a nada do que defendemos, colabore connosco na criação do PD, enviando-nos um email, ou, se preferir, deixando na caixa de comentários os seguintes dados (que manteremos confidenciais):
  • primeiro nome
  • último apelido
  • morada
  • idade 
  • profissão
  • email **

Carta aos simpatizantes

Precisamos de um novo partido político que seja uma plataforma democrática de resolução justa dos inúmeros problemas com que nos debatemos e têm vindo a agravar-se de forma rápida e dramática para milhões de portugueses.

É necessário criar uma nova plataforma política organizada e preparada para disputar posições nas autarquias locais, nos parlamentos nacional e europeu, e no governo democrático da república


O sistema partidário que temos não tem soluções para a grave crise em que estamos metidos. 

Só a intervenção de novos interlocutores políticos poderá abrir uma janela de esperança e renovar a confiança de todos nós na democracia.

O Partido Democrata é uma solução para o presente e um compromisso com o futuro. Apostamos sem preconceitos na cooperação.

Regras de ouro:

  1. Esquecer as dicotomias ideológicas tradicionais e negociar com pragmatismo e boa fé as soluções políticas de que Portugal precisar em cada momento, em nome da prosperidade, justiça, equilíbrio, igualdade de oportunidades, liberdade e felicidade das pessoas. 
  2. Limitação de mandatos para todos os cargos de eleição e maior aproximação entre eleitores e eleitos.
  3. Adequar a dimensão do Estado às possibilidades económicas reais do país, sem prejuízo da qualidade das suas funções essenciais.
  4. Assegurar a defesa intransigente dos nossos recursos, rejeitando em absoluto a sua alienação ou perda de controlo a favor de interesses privados, nacionais ou estrangeiros. 
  5. Estabelecer a máxima transparência dos atos administrativos e diminuir a burocracia.
  6. Reforçar a autonomia, capacidade de gestão e eficiência do poder local, nomeadamente através da criação de agrupamentos autárquicos assentes nas Unidades Territoriais Estatísticas de Portugal—NUTS III.
  7. Equilibrar de forma firme, mas faseada, as contas públicas, nomeadamente exigindo aos credores internacionais e à União Europeia uma diminuição dos encargos e extensão das maturidades da dívida pública.

Bem-vindo, bem-vinda :)

Esperamos por si para espalhar a notícia deste novo partido em formação, e preciamos de si para o convocar e organizar.
Adira ao Partido Democrata, já!



* O Partido Democrata é um movimento de vontades e uma plataforma de debate cujo objetivo é contribuir para a reforma imediata do sistema partidário e a criação tão brevemente quanto possível de um novo partido político.

O Partido Democrata não é mais um partido do sistema. Por enquanto é apenas uma rede social, virtual e presencial, para discutir o sistema político e as alternativas que se nos apresentam para mudar um regime exausto, mas que continua ocupado por políticos incompetentes, oportunistas, ou simplesmente corruptos. Os políticos que se distinguem pela diferença não têm sabido impedir o descalabro, infelizmente. E por isso todos deveremos querer fazer algo para que o país consiga sair desta corrida de lémures para o precipício.


** Confidencialidade: os dados recebidos na caixa de comentários serão tratados com absoluta confidencialidade e não serão transmitidos a terceiras entidades ou pessoas.

19 comentários:

  1. Caro António,
    A iniciativa é louvável. Mas estou céptico e descrente. Não obstante, acho que tenho o dever cívico e patriótico de incentivar e de me interessar pelo assunto. Um dos problemas que antevejo é a fragmentação de iniciativas deste tipo, por muito bem intencionadas que elas sejam.
    Cumprimentos,
    J M C L

    ResponderEliminar
  2. Tenho exactamente a mesma opinião mas, vou seguindo... até me decidir pela adesão, ou não.
    Saudações
    Ana Pereira

    ResponderEliminar
  3. Caro Manuel,

    a fragmentação é inevitável, e a proliferação, por sua vez, é sinal de inquietação crescente e de vontade de reagir, participar e de mudar as coisas — o que é estimulante e necessário nas presentes circunstâncias. A crise vai agravar-se e durante vários anos :( Ninguém sabe até quando se aguentarão sem reformas profundas os sistemas políticos e institucionais dominantes. Logo, é preciso estar preparado. Ou melhor é preciso redesenhar o futuro!

    Obrigado pelo comentário.
    x

    ResponderEliminar
  4. O custo de não fazer nada é assustador! Louvo a iniciativa e uma alternativa só é possível com a colaboração de todos. Obrigado pelo EXCELENTE exemplo e por CONTINUAREM a lutar. Contem com o meu apoio INCONDICIONAL. Estamos entregues a corruptos e gente ignóbil. As futuras gerações vão julgar não só aqueles que ajudaram a manter esta pouca vergonha, colhendo benefícios pessoais, bem como vão criticar quem não fez nada.

    ResponderEliminar
  5. Estou cem por cento e acredito.Contem comigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem vinda :) Em que zona do país vive? Se preferi responder de forma reservada e com proteção de confidencialidade pode utilizar este email:

      partido.democrata.pt.2013@gmail.com

      Obrigado
      António Cerveira Pinto

      Eliminar
  6. Como carta de principio está muito bom. O problema é depois. Não basta ter as ideias, é preciso por em prática, e é precisamente isso que eu não vejo aqui. Ideias concretas.
    Contudo acho que pior que fazer mal é não fazer de todo, e sem dúvida que alguma coisa tem de ser feita.
    Estou por isso disposto a participar desde que não comecem já a pedir dinheiro.
    Américo Varatojo.

    ResponderEliminar
  7. Ainda continuo com a mesma opinião de há algum tempo. As linhas são vagas, pouca objectividade nas orientações e pouc economia/contas nas intenções que tenho visto.....afinal é de contas que se governa o pais hoje em dia....alem disso outra dúvida....o que significa aderir ao Partido Democrático ?

    ResponderEliminar
  8. Um link para as bases programáticas...

    Neste momento aderir ao PD é ainda e apenas a manifestação de vontade de colaborar.

    Não há por enquanto partido político registado, mas há vontade de o estabelecer e um grupo de pessoas que tem vindo a trabalhar neste processo.

    A situação política exigirá porventura acelerar as dinâmicas de constituição e formalização do Partido Democrata.

    O que neste blogue já se publicou são peças dum diálogo que deve ser aprofundado pelos contributos dos interessados.

    Espero ter ajudado a esclarecer algumas dúvidas.



    ResponderEliminar
  9. Ok...sendo apenas uma forma de apoio, pode contar comigo para o que me for possível:

    Vicente
    Pica

    Cascais

    32

    vicentepica@gmail.com

    ResponderEliminar
  10. Vicente,

    Obrigado pela disponibilidade :) Neste momento existe uma grande dispersão geográfica das pessoas que simpatizam com ideia de lançamento dum novo partido, e sobretudo que sentem necessidade fazermos coletivamente alguma coisa que ajude a parar o colapso do país e do seu sistema político, partidário e institucional. Por outro lado existem neste momento vários pequenos grupos procurando soluções para esta crise. Se for possível agregar o empenho de toda esta gente numa mesma corrente plural, seria o ideal.

    Espero ter novidades para a semana, e espero também poder endereçar uma segunda missiva a todos aqueles que estão dispostos a formar a corrente da resistência criativa e de solidariedade necessária a ultrapassarmos este difícil Adamastor que temos pela frente.

    Saudações democráticas, saudações solidárias,

    ACP

    ResponderEliminar
  11. Venham de lá essas ideias e acções!!

    Bom trabalho =D

    ResponderEliminar
  12. Acho a iniciativa louvável mas gostava de saber quem integra e onde era filiado antes de aderir/implementar esta nova facção política e que força espera ter, acções,filosofia, linha de rumo e par quando se espera que deixe de ser virtual para passar á acção.
    Obrigado

    ResponderEliminar
  13. Dados:
    José
    Monteiro
    Zulu
    Lisboa
    montalto33@hotmail.com

    ResponderEliminar
  14. A denominação «Partido Democrata» constitui, em si mesma, um pontapé na gramática. Pontapé generalizadíssimo, de resto, e que o Espanhóis e os Franceses também praticam à farta. «Democratas» são as pessoas que fazem a apologia ou têm uma conduta e ideário que propugna a Democracia. Palavras como «Partido», «Democrata» e «Democracia», «Social-Democrata» e «Social-Democracia» «Pátria» e «Patriota», «Entusiasmo» e «Entusiasta», são, morfologicamente, SUBSTANTIVOS. Já as características, os sentimentos e atributos aos mesmos relativos, isto é, os ADJECTIVOS, são «democrático», «social-democrático», «patriótico», «entusiástico»... A expressão correcta é, pois, «Partido Democrático», como o dos EUA, o Partido Social-Democrático da Alemanha (SPD», a União Cristã-Democrática (CDU) da Frau Merkel, ou o Partido Democrático Livre (FDP), quando correctamente traduzidos, ao arrepio da tendenciazinha tuga para as derivas do analfabetismo, mui sintomaticamente presentes em denominações do tipo do «Partido Social Democrata» ou «Partido Democrata», que traduzem, decerto involuntariamente, uma séria advertência para que se não passe cartucho eleitoral ao analfabetismo. Ora corrijam lá as denominações, pondo-as em Português como deve de ser. Depois então poderá falar-se no resto que, aliás, deixa a desejar, como por exemplo a apologia dum pragmatismo ideologicamente invertebrado, ou o triste acatamento do famigerado acordo «ortográfico»...

    ResponderEliminar
  15. Caro César,

    —"democrata" é simultaneamente substantivo e adjetivo. Logo, Partido Democrata é uma expressão correta, tal como o é Partido Democrático;)

    http://www.dicio.com.br/democrata/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. Caríssimo,
      Não é, não! Será tal simultaneidade, quando muito, a oficialização dum resultado - e uma expressão - da corruptela badalhoca e geral que nos envenena a mente colectiva. Povos instruídos, como o alemão, não padecem disso. nunca confundiriam "Demokrat" ou "Demokratin" (a forma feminina) com "demokratisch" (substantivos sempre com maiúscula). Mas fiquemo-nos pelo americano "Democratic Party", o partido de quem seja "democrat". Como é possível não distinguir quando se traduz?! Olhe, isto para mim é, não só evidente como sintomático. Para isso, prefiro o PDR do Marinho e Pinto! Pode crer que a gramática - e o respeito por ela - também se traduz em votos. É que que diz - e escreve - "Partido Democrata", tendencialmente, também diz e escreve - e pensa! - "pode-se dizer" em vez de "pode dizer-se", e por aí fora. Normalmente não são pessoas de formação ligada ao Direito, e menos ainda ao direito público. São mais para a economia, ou à contabilidade, para ser mais rigoroso. Aceitam sem reagir o famigerado acordo "ortográfico" e, termos políticos, situam-se naquela faixa de centrão liberal, ideologicamente invertebardo, a anos-luz de qualquer pingo de sentido de Estado. A coincidência é curiosa, mas nem sequer paradoxal. É do tenho vindo a aperceber-me, pela observação, ao longo das décadas que por mim têm passado.

      Eliminar